sexta-feira, 18 de maio de 2012

Expedição Chapada dos Veadeiros/GO e Jalapão/TO


                      
Quem tem como hobby viajar sobre duas rodas sabe como é bom sentir o vento no rosto, e ter como plano de fundo um uma paisagem e ter a sensação que você se  integra nela, e buscando sentir novas experiencias eu meu primo Hudson Rosa passaremos por 119 cidades 4 estados em uma expedição com destino a Tocantins, ele com uma Teneré 250 eu com uma XRE 300, confesso que estou um pouco apreensivo com a minha moto pois a XRE tem um histórico não muito bom no inicio de seu lançamento, como vazamento no cabeçote e queima da bomba de combustível, mas enfim esta quase tudo pronto e em nosso destino encontra-se um paraíso natural chamado Jalapão de beleza única,  um dos principais roteiros para quem pratica o ecoturismo e o turismo de aventura, nenhum amante da natureza pode deixar de conhecer, um destino exótico e surpreendente por suas belezas naturais. Com certeza, no mundo todo, não há cenário igual.A região do Jalapão é formada por oito municípios, quatro deles se destacam pelo alto potencial de atratividade turística: Novo Acordo, Mateiros, Ponte Alta do Tocantins e São Félix do Tocantins. A ligação entre os municípios é feita por estradas de terra, onde estão distribuídos seus atrativos. Estradas de terra, o calor forte, mas a chegada a cada atrativo compensa qualquer desafio. São cenários naturais que não se vê em qualquer outro lugar, aparentemente intocados pelo homem.
Ao fim desta postagem se encontra o roteiro detalhado da expedição.

Foram 4500km rodas entre os estados de São Paulo, Minas Gerais, Goiás, DF e Tocantins. 


Nossa Saida manhã de domingo 27/MAI/2012

1ºdia-Tereza e Xirlene em uma pequena pousada familiar em Catalão - GO

Parada em Brasília.
Belíssima foto de Hudson Rosa - Chapada dos Veadeiros - GO


Ao nos despedirmos do "Coração do Brasil", ele nos presenteou com uma última bela imagem....com certeza não é um adeus, e sim um até breve!!!

CHAPADA DOS VEADEIROS/GO


 CANYON: é um estreitamento do Rio Preto que entre rochas de quartzo forma em seu final um delicioso poço .
 MORRO DA BALEIA (mirante): Conhecido antigamente como Morro do Ferro de Engomar, o Morro da Baleia (1.501m) é o cartão postal do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. É avistada por quem passa pela estrada que liga Alto Paraíso(GO) a São Jorge (GO-239). O acesso mais fácil é pelo mirante do "rabo da baleia". A trilha de 3km inicia-se na casa do "seu" Chico Preto, com trechos íngremes que se po
dem ser feitos em cerca de uma hora e meia. Do alto avistam-se as Sete Lagoas, parte da cidade de Alto Paraíso e várias serras no horizonte. Ao pé da serra a paisagem foi denominada Jardim de Maitréia - na realidade é um campo úmido, de onde afloram nascentes formando o córrego Riacho Fundo, afluente do rio Preto.

 Companhia durante o mergulho no poço do Canyon....
 CACHOEIRA DAS CARIOCAS: Agrega uma grande e bela piscina, sendo considerada por muitos, a mais gostosa cachoeira do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. É um lugar perfeito para quem gosta de ficar ao sol, de nadar em águas profundas e se encanta com belas paisagens.
 Beleza do cerrado....
 VALE DA LUA-14°11'11"S 47°47'21"W: Possui uma formação rochosa de 1,8 bilhões de anos que foi totalmente esculpida pela água do Rio São Miguel, traz um aspecto de paisagem lunar, daí seu nome Vale da Lua. Além disso, suas rochas cintilam em noites de Lua Cheia, um verdadeiro espetáculo. As crateras nas rochas formam grandes piscinas naturais em que o banho é permitido.
Casal de Tucanos, na ida para o Pq.Nacional Chapada dos veadeiros.


JALAPÃO/TO

O Morro Mandacaru , ou mais conhecido como Morro da Catedral
                       
CACHOEIRA DO FORMIGA (coordenadas: 10°19'59"S 46°28'13"W):
 Famosa pela beleza da cachoeira vindo de dentro
da mata até cair num poço azul-esverdeado
CACHOEIRA DA VELHA (Coordenadas: 10°16'10"S 46°52'50"W): Deveria chamar-se "Cataratas do Rio Novo", ou "Quedas do Jalapão", pois é a maior do Jalapão, faz um barulhão e não há quem não queira ver as cataratas em forma de ferradura. Mas é conhecida como Cachoeira da Velha. Fica entre o parque ecológico e a APA do Jalapão, em zona de frágil equilíbrio. Após uma trilha de aproximadamente 1 km 200m e se está à beira da estrondosa cachoeira da Velha. O nome viria ou de uma velha senhora que morava na área ou devido a uma estória de assombração, em que aparecia uma velha no meio da queda dágua.


PRAIAS DO RIO NOVO (Coordenadas: 10°15'38"S 46°53'3"W): As mais conhecidas ficam logo abaixo da cachoeira da Velha, no rio Novo, dentro da área de proteção ambiental estadual. Antes, quem cuidou alguns poucos anos foi a extinta Pousada do Jalapão, num acerto com o estado através da agência ambiental Naturatins. Comparáveis às praias do rio Araguaia, as do rio Novo têm a vantagem de ainda ter as 

margens preservadas com matas ciliares e cheia de animais silvestres. Há trechos de praias e ilhotas a 47 km de Mateiros, próximo à ponte que cruza o rio Novo, na estrada para Ponte Alta. Mas o rio é cheio de pedras e encachoeirado, perigoso ponto de partida para praticantes de canoagem de aventura (rafting).
SERRA DO ESPÍRITO SANTO(Coordenadas: 10°35'54.5035''S 46°35'45.7361''W): Cartão-postal do Jalapão, a Serra do Espírito Santo é uma elevação imponente que, através do processo de erosão (chuvas e ventos), dá origem às dunas que se formam aos seus pés.Também existe na serra um mirante, de onde, após uma hora de caminhada em direção ao cume, é possível se ter uma visão privilegiada de toda a região. O topo da serra é uma grande área plana, que lembra uma imensa mesa elevada. É o local ideal para apreciar as paisagens e horizontes do Jalapão.

No coração do JALAPÃO
(Coordenadas:10°24'
33.2798''S 47°5'46.8028''W):
 longe de tudo e perto do nada...nunca havíamos andado
em uma estrada tão ruim e por tanto tempo.




PEDRA FURADA (coordenadas:10°52'38.5932''S 47°23'9.182''W): Monumento natural, constituído de arenito, situado a aproximadamente 30km de Ponte Alta. Trata-se da ação da erosão natural, pelo vento e também pela chuva, que correu as partes mais moles da rocha original e deixou um arco, com o buraco vazio no meio. É símbolo do portal para o Jalapão, título reivindicado pela cidade de Ponte Alta.




CACHOEIRA DO SONINHO(Coordenadas: 11°1'37"S 47°8'29"W): Situa-se a cerca de 70 km de Ponte Alta, constituindo-se em outro atrativo do município. O difícil é atravessar o rio Soninho - que naturalmente cai no rio do Sono - na época nas chuvas. A cachoeira tem uns 20 m de altura e sua queda passa por um buraco na rocha.



CACHOEIRA DA FUMAÇA:Das mais famosas, pelo efeito evaporação que provoca e pelo volume de água, já que é formada pelo enorme rio das Balsas. São 45 m de queda livre, com grande estrondo, soltando enormes nuvens de vapor. Está situada a aproximadamente 75km de Ponte Alta, constituindo outro ponto de ecoturismo catalogado pelo município chamado de "portal do Jalapão". Coordenadas: 11°9'20"S 47°0'36"W




CACHOEIRA DA FUMAÇA: Sequencia do Rio Balsas após a  cachoeira. Nos sentimos
 nos filmes de Indiana Jones....rssss. Coordenadas: 11°9'20"S 47°0'36"W



CACHOEIRA DA FUMAÇA: Corredeiras que antecedem a cachoeira principal. Passamos um bom tempo aproveitando as águas mornas do Ria Balsas. Coordenadas: 11°9'20"S 47°0'36"W



CACHOEIRA DO REGISTRO-12°31'42"S 46°16'4"W (Taguatinga/TO): O caminho que segue para a Cachoeira do Registro exibe um cerrado exuberante, cercado por serras imponentes. Chegando à cachoeira, o turista se depara com uma área preservada. No descer das águas da cachoeira, outro espetáculo é o voar em círculos das andorinhas, que fazem uma espécie de balé. O lugar também é a morada das araras azuis. Na tranquilidade do cenário, é possível ver várias delas voando ou cantando nos galhos das árvores retorcidas do cerrado. A queda é de 45 metros e seu impacto produz ondas que formam um lago de água doce de 10 a 15 metros de profundidade. A baixa incidência de luz, a beleza e barulho da Cachoeira fascinam qualquer turista, que percorre sem reclamar 22 km de estrada de terra e areia para conhecê-la.





RIO AZUIS-12°34'51"S 46°24'25"W: Na divisa das cidades de Taguatinga e Aurora do Tocantins, a atração é o Rio Azuis. Dois olhos d´água que brotam num barranco e formam um lago com águas azuis-esverdeadas e que forma o MENOR rio do Brasil. Com apenas 147 metros, o rio Azuis deságua no Rio Sobrado.





Divisa dos estado de Goiás e Tocantins, ao fundo a linda SERRA GERAL: Divide Goiás e Bahia, ficando a oeste do Jalapão. É o divisor de águas entre as importantes bacias do Tocantins, do lado de Goiás e do estado do Tocantins, e do São Francisco, do lado da Bahia. No alto, as veredas dão origem a muitos cursos dágua que despencam em cachoeiras e logo formam rios importantes, como o Novo, no Jalapão, ou o corrente, nas Nascentes do Rio Vermelho, também no nordeste de Goiás. A serra em si tem partes bem protegidas, já que são impróprias à atividade agropastoril e livraram-se do desmatamento. Mas padecem com o fogo de cada ano, ateado para limpar áreas de fazendas, pastagens e até capim para artesanato, como capim dourado de Mateiros, Jalapão.

Chegada em casa após 4465,7 Km rodados.
 
 Roteiro que seguimos durante a expediçao.
As estrada da Chapada dos Veadeiros são boas, tendo trechos de asfalto e de terra.
As estradas do Jalapão são bem problemáticas. A estrada que liga Ponte Alta do Tocantins à Mateiros (e também a Cachoeira da Velha) são muito ruins (muito mesmo) e o terreno não ajuda sendo uma mistura de areia, terrão vermelho e pedras (grandes demais), em parte deste trecho demoramos 3h para andar 15Km. As Dunas e a pedra furada possuem estrada somente de areia (muito fina e fofa), dificultando e muito a pilotagem, além de aquecer muito a moto (refrigeradas a ar) em razão da baixa velocidade e alto giro para não cair.
As estradas que ligam Mateiros à São Félix do Tocantins e à Novo Acordo são dificies também, porém nada comparado com a que Liga Ponte Alta à Mateiros. Inclusive o trecho entre Novo Acordo e São Félix estava iniciando as obras para colocar asfalto.
As coordenadas que estão na planilha estão corretas, podem seguir sem problemas, já que serão de muita importancia, tendo em vista a maioria das estrada não constarem nos GPS (usamos um NDrive e um Garmim) e quando existem estão com as coordenadas erradas.
Cabe salientar que o uso de GPS e mapas e muito importante no Jalapão, pois o turismo local é dominado pelos Jipeiros, e a sua maioria sonega informações sobre os locais turísticos, inclusive retirando placas de informação.













15 comentários:

  1. Parabéns pela viagem, maravilhosas as fotos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Rafael. Continue nos acompanhando em nosso blog. Abraços.

      Excluir
  2. Parabéns,

    òtima viagem um dia quero conhecer estes dois lugares como vocês.

    att

    ResponderExcluir
  3. parabens pela trip, e pelos detalhes .. as informações foram muito importantes pois estarei subindo dia 20 p jalapão..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado e boa sorte na sua viagem. Abraços!!!

      Excluir
  4. Boa tarde caro Motociclista. Eu li tudo e reli e li de novo. Tenho uma tenere 250 e estava muito em dúvida em relação
    a moto aguentar esse tipo de viagem. Poderias me relatar se tivesse alguma dificuldade mecâninca ou outra que envolva manutenção?
    Trocasse óleo? Pneus aguentaram legal? E em relação ao combustível, tem postos, ou tem que levar uma reserva de gasosa boa?

    Eu moro no Sul de SANTA CATARINA então até o Jalapão já é uma viagem grande. Como foi o desempenho da moto?

    Muito obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Marcão!!! Com relação a moto aguentar ou não, pode ficar tranquilo, pois a minha Tété250 e a xre300 do meu primo aguentaram muito bem o terreno difícil do Jalapão. Mas é bom ressaltar que é necessário fazer uma boa revisão antes de sair. Durante uma viagem longa como esta é necessário fazer trocas de óleo, mas é necessário fazer uma programação, já que no Jalapão as cidades são muito pequenas e vc corre o risco de não conseguir fazer a troca. Com relação ao combustível, o único trecho grande sem postos é o trecho Ponte Alta do Tocantins-Cachoeira da Velha-Mateiros que possui mais de 200km sem postos e por isso levamos gasolina extra. Em uma viagem como esta sempre sai com pneus novos ou qse novos, para não correr o risco de furos e quedas.
      Apesar do Jalapão ser um local de terreno bastante difícil, não deixo de ir, fala cada suor, cada dor nos braços, cada queda na areia (eu caí 3 vezes na areia fofa).
      Boa sorte em sua viagem, um grande abraço!!!

      Excluir
  5. caro Hudson,
    sou oficial do exercito, moro em Brasilia, estou de mudança pra o rio de janeiro e fiquei babando com os detalhes de sua viagem. Tenho uma xre 300/2011 e pretendo trocar por uma transalp em dez para encarar esse seu roteiro. Qual sua opniao, ela seria pesada? Quanto ao transporte da bagagem, vc acha que os alforges sao melhores que bauletos laterais? Adoro acampar e tenho todo o material para fazer com relativo conforto. Vc viu condicoes para acampar na viagem? Alguma infraestrutura de camping? Vc instalaria algum acessorio para proteger motor, cárter? abracao e parabens pela iniciativa em compartilhar isso tudo conosco!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde Alerrandro, tudo bem? Obrigado por nos acompanhar. Quanto a motocicleta há uma vantagem e uma desvantagem na troca. A XRE por ser mais leve, é mais fácil de conduzir na areia fina e fofa (e pões fofa nisso, até os motociclistas do Rali dos Sertões reclamam). Mas a transalp por ser refrigerada a água, não terá problemas com aquecimento ( na areia a moto fica em 1ª e 2ª e com baixa velocidade, dificultando a refrigeração a ar da XRE), mas nós que fomos com duas refrigeradas a ar, não tivemos problemas além da temperatura quente entre as pernas.....rsssss. Na área do Jalapão vc poderá realizar acampamento selvagem tranquilamente, pois o local bem densidade demográfica muito pequena e rios com água limpa não faltará. Estrutura da camping somente o do Sr. Vicente -(63) 3534-1195 ou (63) 9975-19180-, próximo à cachoeira do Formiga (dormimos um dia lá), que possui WC bem simples, refeitório com fogão à lenha e sinal de celular (coisa rara no Jalapão). Mas o melhor do camping do sr Vicente foi poder conversar e poder conhecer mais sobre a região. Em nossa viagem ao jalapão não tínhamos alforges ( foi tudo no banco do garupa amarrado...rsssss), mas hj em dia usamos alforges de nylon da "Acriparts", que é muito bom e barato (+ou- 300 reais com afastador), diferente dos metálicos, que apesar de serem mais bonitos custos aproximadamente 2500 reais o par lateral. Quanto a equipamentos diversos para a motocicleta posso dizer que ajuda, mas não é necessário, pois a cautela e respeito a moto e ao ambiente são muito mais importantes que os equipamentos.
      Espero ter ajudado, abraços!!!

      Excluir
    2. obrigado pela resposta Hudson! Como marinheiro de primeira viagem e, sem possuir nocoes praticas de mecanica, a maior preocupacao que tenho é enfrentar situacoes com problemas mecanicos ou pneus furados. Assim, gostaria de saber se vcs fizeram um inventario de material que julgam ser imprescindivel numa aventura como essa ? Que ferramentas levar? Pneu ou camara reserva? Que peças de moto ou itens de manutencao levar, filtros de ar/combustivel, correia, fusivel? Algum kit de conserto para pneus? E o gasolina reserva, como armazenar e transportar na moto? NO caso do jalapao, e saindo de brasilia, vcs aconselham alguma frequencia de lubrificacao da corrente da moto? Alguma outra peça merece lubirificacao constante? Bom, se tiverem mais dicas ou conhecerem algum site que tenha dicas dessa natureza, por favor, me avisem! Como vou sozinho, qualquer dica de segurança é bem vinda.

      Excluir
    3. Boa tarde Alerrandro, tudo bem? Com relação à equipamentos, nós levamos somente o kit básico de ferramentas da moto, duas câmaras de reserva e quando necessário galão para gasolina extra. Com relação a transmissão, procure verificar quanto ela esta rodada e calcule quanto mais irá rodar, caso a sua já esteja com certa Km, troque e vá com uma transmissão nova. Lubrifique a corrente todos os dias ou no máximo dia sim, dia não e não use graxas muito grudentas, pois juntam terra e areia na transmissão acabando com o pinhão rapidinho. Com relação ao Jalapão, tenha muito cuidado em ir sozinho, pois sofrer quedas no local é muito fácil e o local é muito pouco povoado, dificultando qq tipo de ajuda. Eu mesmo sofri uma queda e meu primo Luciano que estava à frente não viu. Não sofri lesão, mas também não conseguia erguer a moto, por causa da areia fofa. Fiquei por volta de meia hora até ele perceber que eu não estava atrás dele, voltar e me ajudar. Sites sobre o assuntos existem vários, eu indico o viagemdemoto.com. Abraços!!!

      Excluir
  6. Oh Amigo, será que você poderia me passar essa planilha com as coordenadas?

    Valeu!

    ResponderExcluir
  7. Oi Hudson, eu e meu namorado queremos fazer um roteiro parecido com o de vocês. Iremos de Dr650, eu na garupa, alforges, baú e barraca. Estou ciente dos tombos e que vou ter que ir andando por alguns trechos, mas gostaria de mais dicas de quem já esteve lá e conhece melhor, porque por vídeos e fotos é difícil saber.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir